Fale Conosco

Tendências de e-mail marketing para 2019

   13 Março, 2019 / por Caio Cunha

|
|
TENDÊNCIAS DE E MAIL MARKETING PARA 2019
Conheça 2 importantes tendências de e-mail marketing para melhorar a conversão das campanhas em 2019.

WSI - 13-03-2

O e-mail marketing está muito longe de ser uma estratégia pouco efetiva. Ao contrário, quando usado de forma adequada, esta é uma poderosa maneira de melhorar o ROI, fidelizar clientes e, assim, entregar resultados que vão além das expectativas.

Será que você não está deixando uma importante estratégia de marketing de fora do seu planejamento?

Recentemente publicamos 5 tendências para provar que o email marketing não morreu. Hoje, finalizamos a série com mais 2 tendências de e-mail marketing para esse ano, apontadas pelo relatório da Smart Insights!

Tendência 6: Otimização do assunto do e-mail

O título é um dos pontos mais importantes de um e-mail. Afinal, ele é determinante para que o usuário abra ou não a mensagem.

Além disso, quando falamos de e-mail marketing, a sua peça precisa se destacar na caixa de entrada do usuário. E você está concorrendo com e-mails pessoais e de trabalho. Sendo que a estimativa global é que, todos os dias, cada endereço de e-mail receba cerca de 77,3 mensagens. Ou seja, essa não é uma tarefa nada fácil.

Para você ter uma ideia, as taxas de abertura de e-mail variam entre 15% e 25%. Em algumas indústrias, entre 75% e 85% dos usuários não abrem os e-mails recebidos. É por isso que o título ou assunto é tão importante.

Mas como fazer, então, para melhorar a taxa de abertura com assuntos relevantes? A resposta é simples e, ao mesmo tempo, complexa: com testes!

A importância de testar

O gráfico abaixo revela uma pesquisa da Touchstone, uma plataforma para a realização de testes de assuntos de e-mails.

É possível observar uma curva em formato de sino nos dados apresentados, que mostra a taxa de abertura para cada assunto computado no banco de dados da plataforma.

 

null

 

Todas as taxas de abertura são calculadas em relação a taxa de abertura média. Assim, uma taxa de abertura de mais de 20% é equivalente a um desempenho superior (em 20%) à média.

Normalmente, o que é aplicado no mercado são os famosos testes A/B. E isso significa que enviar 2 e-mails com variações seria o suficiente para melhorar os resultados.

No entanto, o gráfico aponta justamente ao contrário. Para ter uma chance de estar entre aqueles que obtém 20% a mais de resultados acima da média, é preciso de, pelo menos, 3 variações no assunto do e-mail para uma única campanha.

Ao mesmo tempo, quando você não realiza testes (ou quando testa pouco), há ⅓ de chances de que a sua campanha tenha uma performance baixa. Para quem fica nas tradicionais 2 variações do teste A/B, o número é o mesmo. 

null

 

Dessa forma, quanto mais variações de assuntos de e-mail você testar, maiores as chance de estar entre as melhores taxas de abertura do mercado.

Além disso, é possível obter uma compreensão mais ampla do comportamento do público. O que também colabora para elevar a performance das campanhas de e-mail marketing!

O que otimizar no título ou assunto do e-mail marketing

Um bom assunto de e-mail aumenta as chances dele ser aberto. E, quanto mais pessoas abrem o e-mail, mais cliques e, consequentemente, mais conversões são realizadas.

Aqui, porém, é preciso ter em mente que abrir ou não um e-mail é uma tarefa mais complexa do que esse ato mecânico que imaginamos. Afinal, uma pessoa pode não abrir um e-mail agora, mas deixá-lo na caixa de entrada para mais tarde. Ou, então, abrí-lo com a única intenção de deletá-lo sem ler o conteúdo.

Ainda assim, todas as decisões envolvidas nesse processo são influenciadas pelo assunto do e-mail.

Tomemos como exemplo uma campanha que começa com um e-mail com o seguinte assunto: “Ofertas imperdíveis na loja virtual até o final do dia”. Como o assunto já diz sobre o que o e-mail se trata, não há a necessidade de abrir a mensagem. Assim, os clientes podem deletar o e-mail e ir direto para a loja.

Com isso, a campanha cumpriu com a função, apesar de a taxa de abertura provavelmente ter ficado abaixo das expectativas.

Acompanhe a atribuição e o tempo das suas campanhas

Uma dica valiosa para otimizar o assunto do e-mail marketing é começar a mensurar e, de fato, entender o impacto das campanhas.

Para tanto, reconsidere o momento em que você deixa de acompanhar os cliques e a taxa de abertura das peças. Comece a entender em até quanto tempo depois que as mensagens perdem a sua efetividade.

Para você ter uma ideia, uma pesquisa da Alchemy Worx revelou que uma campanha ainda gerava resultados após 3 meses do disparo, conforme o gráfico abaixo: 

null

 

Com isso, cerca de 20% das vendas aconteciam em até 1 dia após o envio do e-mail. No entanto, quase 46% das conversões só se davam 1 dia após o último clique e 25% após 21 dias ou mais do envio do e-mail.

Assim, os dados revelam que, para otimizar de verdade os assuntos dos e-mails, é importante entender o impacto da comunicação mesmo quando não há abertura das peças (lembra do exemplo da promoção que demos acima?).

Para tanto, acompanhe as conversões de todos os canais quando uma nova peça for enviada e entenda se há alguma mudança. Depois, continue acompanhando os resultados ao longo dos dias para entender o impacto da campanha em uma linha de tempo.

Por fim, faça testes e testes e testes. Não se prenda ao formato convencional do teste A/B e aplique mais variações para ter melhores resultados!

Tendência 7: Regulamentações de privacidade

Nos últimos meses, tem se falado muito da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entrará em vigor no Brasil em 2020.

Baixe grátis: Ebook que a WSI Consultoria preparou sobre a LGDP

Ainda assim, são poucas as empresas que realmente estão direcionando esforços para entender e se adaptar à lei. E isso é muito preocupante.

A LGPD vai afetar diretamente as campanhas de e-mail marketing e outras iniciativas digitais. Por isso, é essencial definir processos, rever a coleta e tratamento de dados da empresa e já começar a traçar um plano para agir em conformidade à legislação.

De acordo com o relatório da Smart Insights, as prioridades aqui devem ser:

Soft opt-in

É possível realizar marketing digital com os indivíduos com os quais há um relacionamento desde que a compra ocorreu. Ou seja, a regra ainda não deixa claro como se dará essa relação com quem ainda não é cliente.

Além disso, mesmo os clientes atuais devem ter a opção de recusar as mensagens de marketing.

Isso significa que os não-clientes, ou seja, o conceito de soft opt-in, ainda não está previsto nas novas leis. Por isso, é necessária uma transparência ainda maior e um relacionamento mais constante com eles.

Cookies

Temos aqui outra regra que ainda não está muito clara. A Lei sugere uma mudança de foco dos banners baseados em cookies do site para as configurações dos navegadores dos usuários.

Com isso, o ônus pode começar a cair em provedores de navegadores, como o Google e a Microsoft.

Mudança global

Por fim, é importante dizer que as leis da GDPR (como as citadas acima) devem ser aplicadas a qualquer empresa que preste serviços para quem está na União Européia.

Por isso, mesmo as empresas brasileiras deverão se adaptar à novas regulamentações.

 O que achou destas 2 últimas tendências? Não deixe de ler também o primeiro post da série, em que tratamos outras 5 tendências de e-mail marketing!

 

CTA GUIA DE PLANEJAMENTO PARA 2019-3

 

Sobre o autor:

assinatura Caio

  linkedin.pngfacebook-1.pngtwitter.png email: caio@wsiconsultoria.com

 

Tópicos: Marketing

Excel ROI

Posts Recentes

Newsletter